RAVES

Em nome da contextualização e da necessidade de se modernizar a propagação da Palavra de Deus, tem sido comum por parte de alguns pastores e líderes evangélicos a utilização de estratégias diferenciadas na “evangelização”.
A cada instante, movidos por poderosas revelações, novas e mirabolantes estratégias tem sido criadas na expectativa de arrebanhar para os apriscos da fé, um número cada vez mais significativo de jovens. E é pensando assim que eventos dos mais estranhos possíveis têm sido criados por parte da liderança evangélica neste país, como por exemplo, o aparecimento de boates e discotecas gospel. Aliás, você já reparou que nós evangélicos temos a facilidade de transformar
tudo em gospel? Para tais pastores, boates e discotecas tornaram-se “álibis” indispensáveis para se pregar “as boas novas” de Cristo Jesus. Na verdade, neste Brasil tupiniquim, cada vez mais em nome de uma liberdade cristã, os jovens abandonam a palavra e o discipulado bíblico em detrimento às festas e eventos que celebram efusivamente o hedonismo exacerbado de um tempo pós-moderno.


Para piorar as coisas, tais evangélicos criaram a RAVE GOSPEL. Confesso que fico estupefato com a capacidade evangélica de elucubrar sandices. Sem sombra de dúvidas isso é O FIM DA PICADA. Ouso afirmar que do jeito que a coisa anda daqui a pouco teremos um tipo de ecstasy gospel.


Prezados, confesso que estou absolutamente perplexo e preocupado com os rumos da igreja evangélica brasileira. Isto porque, em detrimento do “novo” têm-se optado por um caminho onde se negocia o que não se pode negociar. Cadê o compromisso com a Santa Palavra de Deus? Onde está o imperioso desejo de se fazer à vontade do Senhor em todos os momentos da vida? Por que será que temos coxeado entre dois pensamentos?


Pois é, isto posto, chego a conclusão que mais do que nunca a igreja evangélica brasileira precisa de uma nova reforma.


Fonte: http://www.genizahvirtual.com/

Um comentário:

  1. Pablo Luiz (pl_frenesi_xd@hotmail.com)1 de fevereiro de 2012 17:13

    eu discordo em certa parte de vc, primeiramente a musica eletrônica pra quem não sabe foi criada em meio evangélico e religiosos, fariseus da época moderna rejeitaram, fazendo-a a se bandear para o modelo secular, nessas festas o que predomina é a musica eletrônica.
    depois uma festa q dura mais de 8hs é esse o problema. o povo judeu comemora 8 dias uma festividade.
    agora vc falar q daqui a pouco estará se inventando o ecstasy gospel é completamente fora de questão... nem todos q vão a essas festas são viciados e muito menos na área gospel e é isso q vc deixa a desejar nesse seu post... acho q ao invés de criticar uma estratégia que esta conquistando almas para cristo devemos nos unir em oração, e abençoar o povo de DEUS q esta fazendo a obra dele nessa terra não importa qual, muitos falam poucos querem pagar o preço e botar a cara a tapa pra fazer.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu Comentário
Doidos por Cristo